Lendo agora:

Empodera Distra: merchandise para artistas mulheres

Quem frequenta shows de bandas do underground está familiarizada com as banquinhas com material promocional localizadas em algum canto da casa. Produzir camisetas, bottoms e adesivos é indispensável quando se pretende fazer divulgação de bandas independentes e, até o final da década de 1990, essa era uma atividade exclusiva das próprias bandas.  Seguindo o conceito DIY (do it yourself – faça você mesmo), as colaboradoras produziam todo o material e se revezavam na tarefa de cuidar da banquinha.

É claro que essa ideia sobrevive e nunca deixará de existir, no entanto, a partir dos anos 2000, com o boom de bandas masculinas de hardcore melódico, algumas empresas – a maioria delas criadas por pessoas envolvidas com a cena independente – passaram a desenvolver essa atividade. Nasceram lojas virtuais de merchandise e em determinados shows as banquinhas davam espaço para quiosques de algumas empresas.

Não é difícil imaginar que esse tipo de negócio foi todo dominado pelos homens. Essas empresas fazem merchandise para bandas masculinas, em sua maioria. Alguém que deseja usar a camiseta de uma artista feminina dificilmente encontrará no catálogo dessas lojas. Em 2014, pensando em colaborar com a divulgação de bandas femininas do meio punk, a paulista Michele Silva decidiu aprender serigrafia vendo tutoriais  na internet e criou a Empodera Distra.

Com uma pequena oficina nos fundos das casa de sua mãe em Mogi das Cruzes-SP, Michele desenvolve um trabalho totalmente artesanal. Sua primeira caixa de revelação foi criada com madeiras retiradas do lixo, o que dá uma ideia do espírito DIY que envolve a Distra. Trabalhando sozinha – embora muitas mulheres que a abordam nos shows pensem tratar-se de um coletivo – ela atua em todas as etapas do processo: desde a montagem das telas até o envio dos pedidos pelo correio. Além disso, Michele procura ir a todos os shows de bandas independentes com mulheres no line up para vender as camisetas ou entregar os pedidos.

Michele começou a Distra produzindo camisetas não oficiais de bandas femininas já estabelecidas como Sleater Kinney, Team Dresch e L7. Hoje ela mantém contato direto com mulheres da música independente para a divulgação oficial de seus trabalhos. As duas primeiras parcerias foram firmadas com as bandas punk Ratas Rabiosas e Sapataria, ambas de São Paulo. O dinheiro levantado com a venda das camisetas, ecobags, moletons e shorts paga os custos da produção e pode ajudar as bandas a custear ensaios, gravações e viagens.

O próximo passo é colocar em prática o projeto Artelas, cuja ideia é criar estampas exclusivas com desenhos de artistas mulheres. Nomes como Samanta Juarez assinarão artes para a Distra. Acompanhe a Empodera Distra no Facebook.

Compartilhe
Escrito por

Josie Lucas é mestre em Literatura Brasileira pela USP e professora da rede pública estadual de São Paulo. Na adolescência gastava todos os seus centavos em revistinhas para aprender violão e escrevia sobre música em fanzines. Nunca fez aulas de guitarra, mas aprendeu o suficiente para tocar em bandas hardcore/punk feministas como Cosmogonia, Sündae e Dominatrix. Atualmente toca com as amigas nas bandas Nise e George Sand.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Digite o que você deseja buscar