Lendo agora:

Festival Timbre prepara momentos inesquecíveis entre mulheres da música

Entre os dias 09 e 16 de setembro, 25 bandas se apresentam em Uberlândia sob o conceito “Nossa Voz, Nosso Poder”. Em sua quinta edição, o Festival Timbre 2018 – que tem apoio Natura Musical – leva ao palco artistas como Elza Soares e seu “Deus é Mulher”, Karol Conka, Drika Barbosa no line up.

Também se apresentam bandas como Plutão Já Foi Planeta (que tem Natália Noronha como frontwoman) e Supercombo que tem Carol Navarro no baixo. Conversei com as duas sobre a importância de um evento como esse no interior de Minas Gerais e elas revelaram informações exclusivas para a SÊLA sobre o que vai rolar lá.

Festival é umas das coisas mais legais de se fazer quando você trabalha com música porque proporciona esses momentos de união entre artistas e as bandas. (Natália Noronha)

Festival Timbre em 2017

“A gente acaba nutrindo uma admiração um pelo outrx porque a gente acaba se esbarrando na estrada e passando pelas mesmas coisas, vivendo as mesmas experiências. Festival é momento de celebração, de estar ali, juntxs, compartilhando esse momento” se referindo ao Timbre e também ao Festival CoMA que aconteceu em Brasília no último final de semana onde convidou além da Carol (Supercombo) outras mulheres para subir ao palco, como Cris Botarelli e Emmily Barreto da banda Far From Alaska.

Na ocasião, a Plutão Já foi Planeta aproveitou a oportunidade e fez uma ação da #nenhumaamenos transmitindo durante seu show vídeos de mulheres que participaram da conferência como a empresária Fabiana Batistela (SIM SP, Inker), Juliana Strassacapa da Francisco El Hombre, Tay Galega e Natália Carreira. “A ideia da ação foi minha e de Vitória, baixista da Plutão. Vimos uma oportunidade de se posicionar em relação aos últimos casos de feminicídio. O assunto tá em evidência e fica difícil não falar a respeito. Principalmente com uma audiência de um festival. É um ótimo espaço pra trazer essa mensagem e se posicionar“. A oportunidade vai se repetir no Festival Timbre, em que ela participa do show da Supercombo.

“Cantar e fazer parcerias com outras mulheres em eventos como esse tem todo aquele peso de mostrar o trabalho de outra mina no mesmo palco, a gente acaba conhecendo o trabalho uma da outra e aquilo acaba se consolidando ali. A união do palco é fruto de uma admiração verdadeira.” Natália por áudio.

Plutão Já Foi Planeta

Também mandei whatsapp pra Carol Navarro da Supercombo, que contou já ter sido confundida como a “namorada de alguém da banda” em turnês pelo interior. “Eu acho incrível o lance das minas se unirem ainda mais agora que a gente tá vendo a mescla de banda com mulheres na formação. A conexão das minas tá tão forte que elas se misturam umas no show das outras”, Carol por áudio.

“Quanto mais a gente se unir, mais importante é” (Carol Navarro) 

Carol é a fundadora do coletivo As Mina Tudo, grupo que reúne atualmente mais de 200 membros no whatsapp com mulheres de todas as etapas da cadeia produtiva do mercado fonográfico e produz eventos como Saraus de compositoras e programas de youtube. “No Timbre a gente vai fazer o show da Session (formato de programa que a Supercombo tem em seu canal de youtube), uma ideia completamente diferente dos show convencionais da Supercombo, vamos usar violão e sanfona. É um unpluged só que versão moderna”, dá o spoiler.

Supercombo

“Agente vai tocar esse formato. Fizemos uma música que chama “Menino” e gravamos no nosso canal no Youtube junto com a Plutão Já Foi Planeta e é essa canção que a Natália vai cantar com a gente em Uberlândia.” Só pra aumentar a expectativa, se liga no que ela complementa: “É capaz que role a gente junto com Plutão de novo também. Essa troca é sempre maravilhosa porque a gente que tá na cena do rock se conecta muito. Então fortalecer sempre é muito bem vindo”.

Enquanto aguardamos ansiosxs momentos inesquecíveis como esses que celebram o avanço das mulheres na música, nós da SÊLA temos orgulho de ter sido convidadas para integrar o time de comunicação do Festival Timbre e ainda mediar uma mesa sobre o empreendedorismo que viemos conquistando dia após dia no nosso pequeno grande mundo dos negócios em música. Particularmente estou satisfeita com essa parceria.

Como disse Natália Noronha no whats: “Quando você é artista você ganha uma audiência e você tem pra quem falar. Se você pode usar isso pra mudar nem que seja um pouquinho a sociedade, então é legal se posicionar.” Além dela outras artistas como Joana Bentes, Julia Branco e Salma Jo da banda Carne Doce também se apresentam no Festival. A banda Musa Hibrida que está com disco novo para lançar também se apresenta.

 

 

Compartilhe
Escrito por

Quando criou a SÊLA, Camila entendeu que duas artistas tinham mais força que uma. E que três artistas tinham ainda mais força que duas. Desde então sua carreira solo como cantora e compositora ganhou outra dimensão e por isso tem se preparado para lançar o novo disco como GALI, seu novo nome artístico. Como empresária acumulou funções de publicitária, jornalista, apresentadora, palestrante e articuladora. Criou o mulhernamusica.com.br para estimular o conteúdo feito por elas e está aberta a quantas outras funções forem necessárias para fazer mais por elas.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Digite o que você deseja buscar