Lendo agora:

Making Of: clipe novo de Bia Ferreira tem mulheres negras em todo o elenco

Making Of: clipe novo de Bia Ferreira tem mulheres negras em todo o elenco
Envolvidas no projeto

Bia Ferreira multiinstrumentista e cantora escolheu mulheres do interior de SP para produzir seu PRIMEIRO clipe. Ela conta como a afinidade em ideias e acolhimento criaram o clipe de “DE DENTRO DO AP”.

“De Dentro do AP’ é uma música que mostra a fusão da militância negra  na vida, e questiona o feminismo branco “de apartamento”.

Uma equipe de mulheres de Ribeirão Preto, com elenco composto por mulheres pretas fez nascer o clipe que começa com uma poesia de Thata Alvez.

Entrevistamos Ellen Faria Diretora geral, que conta como todo esse processo rolou: 

Como surgiu a ideia do clipe? Conta essa história pra gente.

Conheci a Bia no festival em Rio Preto, era o primeiro show dela em um SESC, acabou que criamos contato a partir dai e desde aquele show a música DE DENTRO DO AP tinha me chamado muito atenção. Voltei pra Ribeirão e mostrei essa música pra todo mundo, no coletivo Fuligem a Sabryna Murali ficou chocada com o som e começamos a conversar sobre um clipe, só depois falamos com a Bia, já com a ideia pronta e ela topou rápido. Tudo foi muito rápido, as gravações foram intensas e o clipe vem na contramão da letra da música, mostrando o lado da mulher negra e não dá garotinha do APÊ.

”Eu me senti cercada por mulheres que me queriam bem, cercada de profissionais hiper qualificadas e dedicadas a executar seu trabalho da melhor forma. Me senti acolhida, parecia que todas nós nos conhecíamos há muito tempo.” (Bia Ferreira)


Como foi a participação da Bia no Clipe?

Bia veio para Ribeirão, esteve com a gente em todas as gravações, ele dirigiu todas as cenas comigo, a todo momento ela dava força e agradecia o elenco e a produção, foi como se todas as envolvidas já se conhecessem a anos. Ela fez questão de aparecer pouco no clipe e isso teve um resultado lindo.

Como que surgiu a ideia da equipe ser 100% feminina? 

Foi proposital a realização do clipe com uma equipe 100% feminina na questão audiovisual. O Elenco, exclusivamente de mulheres negras também é um ponto relevante. A mulher, assim como em toda escala profissional, não está em evidencia no audiovisual brasileiro, principalmente assinando roteiro e direções das grandes produções. 

“O Clipe foi gravado em 2 dias, com mais de 10 locações diferentes, envolvendo um elenco fixo de 12 pessoas mais os figurantes. ” (Ellen Faria – Diretora)

Qual a importancia para o audiovisual do interior ter produções como essa?

A equipe do clipe DE DENTRO DO AP são mulheres profissionais do audiovisual do interior de São Paulo (Ribeirão Preto), o que é ainda mais desafiador porque toda a tecnologia chega ao interior, o que não chega é a visibilidade do trabalho produzido no interior, que por sua vez não perde em nada para produções da capital. 

O Clipe foi gravado em 2 dias, com mais de 10 locações diferentes, envolvendo um elenco fixo de 12 pessoas mais os figurantes. Produzido inteiramente de forma independente e com muito trabalho em equipe e sororidade. 

” Nota-se a ausência de representatividade e protagonismo negro e feminino no audiovisual que perpetua a visão eurocêntrica que na maioria das vezes folcloriza e mantém o estereótipo e subalteridade do povo negro, isso é racismo e machismo explícitos. “(Ellen Faria – Diretora)_

Esse é seu terceiro clipe com foco no feminismo negro, como que é focar nesse assunto e aproximar pessoas pra essas questões sociais de equidade de direitos em nível de gênero e raça?

Ellen Faria, assina direção geral e roteiro do clipe. DE DENTRO DO AP é o terceiro clipe com roteiro e direção voltado exclusivamente para a questão do negro no Brasil, o segundo feito com elenco e produção exclusiva de mulheres. Ainda sobre isso Ellen ressalta: ” é urgente a necessidade de focarmos na equidade de direitos em nível de gênero e etnia, precisamos falar da história negra no Brasil, precisamos falar sobre a mulher, precisamos entender as diferentes questões das mulheres negras perante as mulheres brancas, o audiovisual é um instrumento, precisamos usar.  Nota-se a ausência de representatividade e protagonismo negro e feminino no audiovisual que perpetua a visão eurocêntrica que na maioria das vezes folcloriza e mantém o estereótipo e subalteridade do povo negro, isso é racismo e machismo explícitos. Temos o audiovisual como ferramenta de promoção e luta contra o preconceito, ultrapassando a condição de documentação, registro artístico e técnica e assumindo o papel de instrumento que propõe a reflexão.”

Depoimento por Bia Ferreira 

“A realização desse projeto foi uma força tarefa. Foi muito bonito ver equipe só de mulheres, majoritariamente mulheres negras, se mobilizando para que esse trabalho fosse realizado. No interior onde a tecnologia chega, mas a disseminação do que se faz não tem tanta repercussão e as oportunidades são menores, a união em prol de um ideal e da mensagem que essa música e a poesia da Thata Alves trazem é de extrema importância”, conta Bia. “Eu me senti cercada por mulheres que me queriam bem, cercada de profissionais hiper qualificadas e dedicadas a executar seu trabalho da melhor forma. Me senti acolhida, parecia que todas nós nos conhecíamos há muito tempo. O resultado ficou incrível, me senti feliz de encontrar pessoas que acreditam nas mesmas coisas que eu e que se doaram tanto para que esse trabalho ficasse tão bonito.” Bia Ferreira.

Ficha Técnica:

Uma idealização independente de LABA-LABA comunicação e Coletivo Fuligem, com apoio de MANDALA FILMES. 

Roteiro – Ellen Faria e Sabryna Murali 

Direção Geral – Ellen Faria 

Co-Direção – Bia Ferreira 

Produção Geral – Ellen Faria 

Assistente de Produção – Grace Kelly

Poetisa – Thata Alves 

Direção de Arte – Grace Kelly 

Direção de Fotografia – Sabryna Murali 

Preparação e Direção de Elenco – Nathalia Fernandes 

Captação de Imagem – Raiza Ferreira e Sabryna Murali

Imagens Aereas – Renata Prado e Renato Vital

Fotografia Still e Making Of – Renata Prado 

Montagem/Edição – Sabryna Murali

Coloração – Raiza Ferreira 

Finalização – Sabryna Murali e Victor Yuri  

Elenco – 

*Josiana Martins 

*Fernanda Marx 

*Leticia Profania 

* Bia Ferreira

* Thata Alves 

* Natascha Vital 

* Dandara Manfim da Costa (nossa criança)

* Kauany Ketholin Silva

* Camila Telles

* Thais Foresto

* Marcio Bá

* Guilherme Serafim



Livre de vírus. www.avast.com.


Compartilhe
Escrito por

Mari Rosa é fotógrafa de arte brasileira,documentarista, diretora de arte e fotografia de vídeo clipes e colaboradora da Sêla musical. Fotografa principalmente mulheres, usando apenas luz natural. Os trabalhos podem ser vistos em seu site, onde publicou em revistas como Vogue, B-authetique, Nif Magazine e TPM. Sua experiência prática profissional abrange desde Produção, Filmagem, fotografia e Edição de documentários jornalísticos independentes (Mídia livre) até a realização de vídeos institucionais e corporativos.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Digite o que você deseja buscar