Lendo agora:

“A festa é nossa”: Paige lança clipe BRASIL

“A festa é nossa”: Paige lança clipe BRASIL

Beleza fora do padrão, Paige lança clip “Brasil” com a direção de Luísa Loes, um trabalho autêntico, diferente e ousado. Chega de bonde, com mulheres incríveis como a dançarina Mayra Motta, e mais uma vez levanta a questão da representatividade e da sororidade.

Concentrando-se na Pop Music, também tem como referência o R&B, Hip Hop, Reggaeton, Funk, Eletrônica e Disco, que marcou a comunidade negra norte americana da época e é presente no som e na vida da artista.

Meu objetivo, não só como meu sonho de infância, é ser uma cantora Pop e levar minha música pro mundo, mas também levar um pouco de mim, da minha personalidade, da minha ousadia de bater de frente com o sistema e com tudo que faz a gente pensar em desistir. (Paige)

No tempo em que falar do Brasil tem se associado a atrocidades políticas, Paige traz no instrumental e na letra leveza e boa vibe, segundo ela é preciso encarar a vida pelo lado bom e ter esperança sobre o que não anda bem.

“Você ser uma mulher negra totalmente fora do padrão, no Brasil, quando você chega a fazer um trampo independente com o nome do seu país quer dizer que você quer chamar atenção pra cena atual do que está acontecendo. É metafórica essa mensagem porque eu falo o seguinte: “Você sabe de quem que é essa festa toda aqui que vocês estão falando? Quem é o Brasil? Nós somos o Brasil, os negros, os índios. Falar sobre coisas que tem que ser ditas, mas sem tirar a esperança das pessoas é o que a música tem o poder de fazer”. (Paige)

Vitoria Laleska

O clip foi filmado no Morro do Papagaio favela de Belo Horizonte mostrando a cultura negra, a cultura brasileira, e a reunião das mulheres negras, o que precisa ser visto, “muita dessas coisas acontecem mas não é mostrado na arte e na industria musical”. (Paige)

A maioria da população negra está na marginal, e gravar nesse local é o que literalmente representa o Brasil (Paige)

“Brasil” é uma amostra do que a artista pretende trabalhar daqui pra frente, músicas numa pegada eletrônica, com a representatividade da mulher negra, gorda e livre, que pode ser quem ela quiser.

Luísa Loes fez o roteiro, direção e edição, numa parceria com Xeque Mate, produzindo clipes de artistas da cena local independente de BH. Conhecia o trabalho da Paige desde 2014, é uma das artistas proeminente de BH, tem uma voz sensacional, e o momento foi perfeito já que o single estava pronto pra ser lançado antes do EP.

Eu escolhi trabalhar com ela e foi muito fácil porque Paige tem mesmo uma diva incorporada dentro dela (Loes)

“No roteiro eu quis trazer uma mistura de vários estilos de dança, de vários tipos de gerações, você vê no clip a Mayra Motta dançando House, o Lucca dançando Vogue. O Vogue, que ficou popularizado pela Madonna, é uma expressão negra, periférica, gay, dos Estados Unidos, nasceu nas prisões pelos meninos gays imitando as capas de revista.” (Loes)

Além do elenco valorizaram o trabalho de mulheres negras no todo, o figurino é do Brechó das Pretas e o cabelo maravilhoso do Ateliê Yabas.

Mayra Motta

Paige promete mais um abalo ainda esse ano, quando lança seu primeiro Ep solo “Baby Girl”, uma forma de conhecer a artistas “fora da música, mas fazendo música” já que sua personalidade é explicita no trabalho.

Assista!

Matéria por Raquel Alvez
Idealizadora Casarelas

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Digite o que você deseja buscar