Lendo agora:

Muitas mulheres passaram pelo Festival MECA 2019

Muitas mulheres passaram pelo Festival MECA 2019

Todo mundo sabe que o Museu Inhotim é referência mundial em Arte Contemporânea. Por isso que ter um Festival de Música num lugar com esse respaldo pode ser interessante. Do estacionamento até o palco principal, luzes e leds realçavam a grandeza do jardim botânico, cenário para os três dias de evento. A SÊLA estava lá para cobrir as mulheres que passaram por lá.

Duda Beat

Na sexta-feira, 17 de maio, Mc Tha abriu os caminhos do Palco Principal com funk e batida pop. Como estivemos no pré MECA em BH, no espaço DO AR, já tínhamos nos impressionado com a presença da guitarrista e DJ Malka (que inclusive é uma das produtoras musicais com single inédito na Coletânea SÊLA). Enquanto isso na pista da Heineken, a DJ Corvina mandava seu som dentro de uma caixa luminosa com animações em painel de led. Mais tarde viria, Pitty, que (logicamente) fez todo mundo cantar junto com hits e algumas do novo álbum “Matriz”.

No sábado de manhã, chegamos cedo para visitar as galerias de arte do Museu, como por exemplo a da japonesa Yayoi Kusama, que abriga a instalação “I’m Here, But Nothing”, uma sala com adesivos de pequenas bolas em neon iluminadas por luz negra. Esse trabalho é uma tradução de seu transtorno compulsivo e que, já na infância descobriu na arte, uma forma de lidar com suas alucinações.

Camila Garófalo (SÊLA) e Maria Moreira (Casarelas)

Depois dessa imersão, partimos para mais uma atividade do MECA, os Talks. A programação fazia parte da campanha global #Togetherband, que tem o objetivo de “conectar pessoas através de moda sustentável, arte contemporânea, musica e cinema”. No painel “Marcas e movimentos carregam propósito” ouvimos o depoimento de Eliz Vittorazzi, Flávia Amadeu, e Chiara Gadaleta.

“Hoje a principal causa do desmatamento na Amazônia é a Pecuária Extensiva, então consumir produtos responsáveis com certeza vai diminuir o impacto na floresta” Eliz Vittorazzi (SOS Amazônia)

Antes dos shows o público assistia aos TALKS

SAIBA MAIS SOBRE O TOGETHER BAND

Conferência que surge de uma parceria da ONU com a marca inglesa Bottletoppers, busca captar recursos através de pulseiras que representam as causas mais importantes da humanidade, como a redistribuição de renda e o saneamento básico para todos. Trata-se dos 17 Global Goals (compromissos globais de desenvolvimento sustentável), instituídos pela ONU por uma existência mais cidadâ e responsável no mundo até 2030. O #Togetherband desenvolve pulseira feitas por artesãs do Nepal. Com essa ação, o MECA torna-se parceiro da ONU.

_________

BRUMADINHO

Após o crime ambiental ocorrido na cidade de Brumadinho (MG), local que sediou o evento, o MECA assumiu seu posicionamento em relação ao assunto fazendo uma campanha com depoimento de moradores que apoiam o discurso de que o festival traz impactos positivos em seu acontecimento. Vale lembrar que a SÊLA se fez presente no evento para cobrir as mulheres que estiveram por lá (esse sempre será o nosso recorte).

________

Ainda no sábado, 18 de maio, Céu foi a primeira a se apresentar no Palco Principal. Impecável na voz e afinação, trouxe hits de seus álbuns “Tropix”, “Caravana Sereia Bloom” e “Vagarosa” e repetiu duas vezes “ELE NÃO!” durante a apresentação. Depois dela veio a recifense DUDA BEAT, que entregou-se na presença de palco e apresentou seu show dançante, com direito à remix do maior hit de sua carreira, “Bixinho”.

Céu abriu o palco principal

No domingo, 19 de maio, último dia de festival, trouxe uma programação marcada pela música indígena contemporânea com artistas como Brisa Flow. Mais tarde, Tulipa Ruiz cantou, além de suas composições, hinos como ‘Banho” de Elza Soares. Apesar de ter feito dois shows naquele mesmo dia na Virada Cultural de SP, Tulipa, manteve um show enérgico até o fim.

Além das mulheres que se apresentaram no Palco, também encontramos as mulheres que fizeram parte dos Bastidores do MECA, sendo Laura Damasceno, Mestre de Cerimônias dos Talks, Fernanda Branco, da equipe de comunicação e Maíra Miranda, uma das coordenadoras do Festival.

Muitas mulheres passaram pelo MECA 2019. Não foi possível citar todas, mas agora nós já podemos ter ideia da dimensão.

Camila Garófalo
Maria Moreira
Raquel Alvez
Mari Rosa

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Digite o que você deseja buscar