Lendo agora:

Tradições Africanas e inovação no novo clipe de Fanta Konaté

Tradições Africanas e inovação no novo clipe de Fanta Konaté
Fanta Konaté

Toda arte faz parte do conjunto de elementos que formam a cultura de determinada coletividade humana, uma cidade ou uma nação. Todo artista, portanto, é propagador da cultura de sua localidade. No entanto, poucos fazem arte com a consciência de estar colaborando para a preservação da identidade de um povo, ou de povos. É o caso da cantora, compositora e bailarina Fanta Konaté. Vinda da Guiné Conacri (República da Guiné), Fanta chegou ao Brasil em 2002 e desde então – além das diversas atividades que já realizou: ensinou dança africana, fundou o instituto África Viva – lançou dois discos: Djubafedeá (2007) e Fanta Konaté (2018). É deste último a música Milé (Materialismo) que ganhou recentemente um videoclipe.

Em Milé, o canto e a dança juntam-se a reflexões sociais e a difusão de valores que ajudam a manter viva a arte tradicional africana. Cantada em sussú – língua comum aos falantes de Conacri, capital da República da Guiné –, Milé fala sobre valorizar o ser humano acima dos bens materiais; fala sobre reproduzir esse modo de vida mesmo que existam pessoas que não amam a quem não tem dinheiro. Tema bastante urgente nesses tempos de consumismo desenfreado e falta de empatia em que vivemos em nosso país.

A voz belíssima de Fanta é acompanhada pelo grupo de percussão Troupe Djembedon, formado para acompanhar a cantora. Unindo o som dos tradicionais tambores (djembes) da Guiné com instrumentos de sopro e até guitarra difundem ritmos tradicionais como o Kassa. O videoclipe contou também com a participação de grupos percussivos de Sorocaba: Baque Mulher, Krucatá, Orquestra Rural Casa do Ritmo e Grupo Saramuná.

Além da música, a dança é um elemento essencial na Cultura da Guiné Conacri – pode estar relacionada à fertilidade, ao batismo, ao trabalho no campo e ao casamento. No clipe, dirigido por Ricardo Camargo e realizado pela F5 Films, a dança parece representar a alegria e a vitalidade de um povo que se reúne para celebrar a união e a vida. A reunião de aspectos da tradição como a dança, a música e a indumentária, com a tecnologia das luzes de led, criam um ambiente festivo. Assistam ao clipe!!

Compartilhe
Escrito por

Josie Lucas é mestre em Literatura Brasileira pela USP e professora da rede pública estadual de São Paulo. Na adolescência gastava todos os seus centavos em revistinhas para aprender violão e escrevia sobre música em fanzines. Nunca fez aulas de guitarra, mas aprendeu o suficiente para tocar em bandas hardcore/punk feministas como Cosmogonia, Sündae e Dominatrix. Atualmente toca com as amigas na banda Hayz.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Digite o que você deseja buscar