Lendo agora:

Com produção cultural feminina e preta, artistas vão projetar a laser tags de pixo na Virada Cultural de SP

Com produção cultural feminina e preta, artistas vão projetar a laser tags de pixo na Virada Cultural de SP

Intitulada ‘Holograma das Ruas’ a iniciativa nasceu do desejo de dar visibilidade e reconhecer a relevância da arte da pixação enquanto cultura urbana e periférica, que constitui a cidade de São Paulo

Com o objetivo de dar visibilidade e reconhecer a relevância da arte da pixação, enquanto linguagem e cultura urbana da cidade de São Paulo, a iniciativa ‘Holograma das Ruas’ fará projeções a laser de tags de pixo na Virada Cultural de São Paulo, entre os dias 28 e 29 de maio, a partir das 18h até as 04h da manhã. As tags, serão projetadas no Vale do Anhangabaú durante shows de artistas como Tássia Reis, Don L e Margareth Menezes.

A produção da atração é de Michelle Serra, em parceria com a também curadora, Fernanda Vismoart, duas produtoras negras que atuam diretamente para dar visibilidade a outras mulheres pretas que produzem arte ou que produzem cultura na periferia. 

A atuação de produtoras culturais pretas, em um evento da Prefeitura da Cidade de São Paulo, é de suma importância para promover a valorização da produção cultural preta e periférica, já que a grande maioria dos eventos nos grandes centros são promovidos por produtores culturais brancos. A invisibilização das profissionais negras faz com elas sempre estejam envolvidas em projetos em ambientes periféricos e de pouca visibilidade midiática, que muitas vezes acontecem sem patrocínio. 

“Eu me inspiro em várias mulheres, que são referência para mim e que estão há muito mais tempo na caminhada de trazer o protagonismo dos artistas negros e periféricos. Então, eu acho que é super importante contribuir para dar essa visibilidade para as mulheres negras que estão no corre da produção cultural na periferia, não só para fortalecer uma a outra como inspiração, mas também para criarmos nossos espaços de fala e manter esses espaços e essa conexão entre a periferia, os jovens e a grande sociedade, que às vezes insiste em nos excluir”, conta Fernanda Vismoart, produtora e curadora do Holograma das Ruas. 

E foi justamente com o intuito de fazer uma conexão entre a cultura da periferia e a grande cidade, que nasce o ‘Holograma das Ruas’, que une arte e tecnologia, marginalidade e estética moderna, fruto da união de artistas e agitadoras culturais de São Paulo e do Maranhão. O projeto chega à Virada Cultural, um dos maiores eventos da cidade, após a retomada imposta pelo isolamento social do COVID 19, construindo pontes e possibilidades entre pessoas que passam pelos pixos diariamente, mas que os enxergam com preconceito, poderem os enxergar verdadeiramente como arte essencialmente urbana. 

“O que tem de mais contemporâneo no campo das artes é a pichação. A tipografia do pixo, faz parte da imagética da sociedade então não tem como a gente distinguir e colocar uma barreira entre a arte contemporânea e a pichação. Eu não acredito que as duas coisas caminham juntas porque é uma coisa só, e ter projetos como esse unindo a tecnologia com o pixo só mostra o quão plural é a linguagem do pixo e como a gente consegue alcançar lugares que não imaginávamos através dessa cultura paulistana. Então acho que projetos como esse são de suma importância para tirarmos o estigma de marginalização em torno destes artistas, que são isto: artistas, e não criminosos”, conclui Fernanda Vismoart, produtora e curadora da ação. 

A idealização do ‘Holograma das Ruas’ é de Diogo Terra, responsável técnico pelas projeções, e do pixador e artista visual M.I.A., que também terá suas tags projetadas na ocasião, assim como o artivista maranhense Jah no Controle, que também é um dos curadores da ação. 

SERVIÇO

Virada Cultural de SP – Holograma das Ruas
Data e horário: 28/05 às 18h até 29/05 às 04h
Local: Vale do Anhangabaú
Classificação Indicativa: Livre

FICHA TÉCNICA:

Criação/Conteúdo/Programação: Diogo Terra
Criação/Conteúdo/Design gráfico: João França Massive, o M.I.A 
Criação/Conteúdo: Raimundo Nonato, o JAH no Controle 
Coordenação de produção: Michelle Serra
Criação/Produção: Fernanda de Deus Vismoart
Registro/Criação: José Eduardo Moreau Cunha 
Criação/Assistência de programação: Ayo Lima
Criação/Assistência de programação: Eunice Eunice 
Produção: Rodrigo Olegário

Sobre o Holograma das Ruas

O ‘Holograma das Ruas’ é uma ação de impacto social que visa promover e valorizar a cultura paulistana da pixação em âmbito nacional, a partir da Virada Cultural de São Paulo com ambição de expandir para outras regiões. Idealizada pelo programador e iluminador Diogo Terra, e pelo pixador e grafiteiro M.I.A., com produção de Michelle Serra, ao lado de Fernanda Vismoart, também curadora das tags, em parceria com Jah no Controle, que além de curador, também é um artista maranhense que possui suas tags projetadas na ação de artes visuais. Partindo do termo holograma que propõem uma configuração 3D, o grupo artisticamente faz uma reflexão social e coletiva da própria rua como essa terceira dimensão responsável por compor este holograma. Marginalizada e criminalizada nacionalmente, mas reconhecida e valorizada internacionalmente a pixação vem se tornando cada vez mais tendência entre as das modalidades da arte urbana entre a juventude periférica, e o grupo acredita que ações como o ‘Holograma das Ruas’ tende a impulsionar e quebrar os tabus em torno destes estigmas negativos. 

Sobre Michelle Serra

Produtora cultural desde 2016, Michelle Serra é considerada como uma polinizadora de gentileza. Já atuou como Produtora de artistas como a Banda Black Rio, Grooveria, Rosa Luz e Brisa Flow, Joabe Reis, dentre outros. Atualmente Michelle lidera o projeto Quebrada Viva, uma série de projeções, amplificando e ecoando vozes de poetas e artistas periféricos com intervenção urbana por meio do laser. Seu último trabalho foi como Produtora executiva ao lado do Artista Visual Diogo Terra nos Bailes Modernistas realizados pela Secretaria de Cultura de São Paulo no Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, evento para o qual se uniu na criação aos pixadores Massive MIA e JAH no Controle projetando via laser suas tags. Na militância desde jovem, faz parte da liderança política local que executa projetos sociais que atendem diversas famílias através de chamados públicos de arrecadação de mantimentos para pessoas vulneráveis.

Sobre Fernanda Vismoart

Mulher negra e mãe de três, a agitadora cultural busca na força feminina de artistas urbanas referências que engajem a essência e o pulsar criativo. Acredita que tudo o que é vivido tem sua relação intrínseca com o verdadeiro corre das ruas.

Compartilhe
Digite o que você deseja buscar